O que são?

 Orgonites são dispositivos de qualificação de energia para ambientes. Atraem a energias densas, convertendo para frequências mais elevadas. Além disso, dissipam os efeitos nocivos do eletromagnetismo. São verdadeiros pontos de luz, disponíveis para nos auxiliar a viver com mais harmonia.

Como funcionam?

A resina, que é um componente orgânico (derivada do petróleo) atrai as energias do ambiente; estas são depuradas e qualificadas pelos cristais, e repelidas pelo metal, que serve como antena de transmissão. São como verdadeiro aspirador de energias negativas, convertendo-as em energia positiva, em um ciclo infinito.


 A história:

A energia orgônica não é nova. Os que há mais tempo se preocuparam com essa energia, que é tão antiga quanto o universo, foram os kahunas, os magos da Polinésia, que deram à energia o nome de mana; depois os chineses aprenderam a localizar com a ponta dos dedos os pontos de condensação, a que deram o nome de tchi. Os chineses também descobriram que, quando esta energia ficava bloqueada em pontos de condensação (os pontos de acupuntura ou doin) surgiram doenças que eram curadas mediante o uso de agulhas ou a pressão dos dedos nos citados pontos. Assim, a  energia voltava a circular pelos meridianos e a saúde era restabelecida. Eles já sabiam há cerca de quatro mil anos.

Pitágoras, que além de matemático, astrônomo e filósofo era também médico, dava o nome de pneuma a essa energia na Grécia a quatrocentos anos A.C. Ele fundou a Escola das Mulheres Pitagóricas, mulheres de grande cultura, muito respeitadas pelo seu saber em época de sociedade patriarcal. Pitágoras foi, portanto, o primeiro feminista no planeta Terra. Hipócrates, cem anos mais tarde, deu o nome de Vis Medicatrix Naturea a essa energia e acreditava que o perfeito equilíbrio entre o corpo, a mente e o espírito só era possível quando essa energia circulava em perfeito equilíbrio, o que  conseguia através da prática a que dava o nome de Medicina Holística. Até os dias de hoje os médicos fazem o juramento de Hipócrates.

Outros estudiosos deram um nome diferente à esta energia: Mesmer chamava de magnetismo animal, e Samuel Hahnemann dava o nome de força vital. Hahnemann descobriu que, se determinada substância produzia sintomas que significavam determinada doença, a mesma substância em diluições infinitesimais passava a curar a doença que correspondia aos sintomas provocados por ela. Hahnemann deu o nome a este princípio de “similibus similibus curandus”, isto é, o mal cura o próprio mal ou mais claramente o agente que produz o mal é o mesmo que o cura. Ele descobriu que as diluições progressivamente feitas iam aumentando o nível energético do medicamento; a medida que o medicamento perdia massa, ganhava mais energia. Quando a substância era diluída tantas vezes que já não era possível registrar moléculas da mesma no líquido usado para diluí-la, mais ativa se tornava como medicamento. É este o princípio da homeopatia.

Sigmund Freud e a Libido
Libido (do latim, significando "anseio ou desejo") é caracterizada como a energia aproveitável para os instintos de vida. De acordo com Freud, o ser humano apresenta uma fonte de energia separada para cada um dos instintos gerais.
"Sua produção, aumento ou diminuição, distribuição e deslocamento devem propiciar-nos possibilidades de explicar os fenômenos psicossexuais observados" (1905a, livro 2, p. 113 na ed. bras.)
A libido apresenta uma característica importante que é a sua mobilidade, ou a facilidade de alternar entre uma área de atenção para outra.
No campo do desejo sexual está vinculada a aspectos emocionais e psicológicos.
Santo Agostinho foi o primeiro a distinguir três tipos de desejos: a libido sciendi, desejo de conhecimento, a libido sentiendi, desejo sensual em sentido mais amplo, e a libido dominendi, desejo de dominar.
A obra de Sigmund Freud retoma o conceito de libido e lhe confere um papel central. Em seus primeiros trabalhos, a libido é o impulso vital para a auto-preservação da espécie humana, e compreende a libido como a energia sexual no sentido estrito, como o fenômeno do "impulso" do desejo e do prazer. Mais tarde, ele volta a enfatizar essa visão mais geralista de que o impulso de auto-preservação tem origem libidinosa, e confronta a libido com o instinto de morte. Em seus escritos posteriores, especialmente em “Além do Princípio do Prazer” (1920), ele usa, em vez da palavra libido um sinônimo Eros, que descreve como sendo a energia que impulsiona a vida. Na obra “Psicologia das Massas e Análise do Eu” (1921), ele definiu a libido como sendo a "energia de tais instintos, que tem a ver com tudo o que pode ser resumido como o amor."
A libido segundo Freud, não está relacionada somente com a sexualidade, mas também está presente em outras áreas da vida, como nas atividades culturais, caracterizadas pela sublimação da energia libidinosa de Freud.

Wilhelm Reich (1897-1957) foi um psicanalista austríaco, discípulo de Sigmund Freud que criou, a partir da Psicanálise uma nova abordagem terapêutica a qual, além das intervenções verbais, de fundamentação psicanalítica, também inclui intervenções corporais. Esta abordagem terapêutica foi inicialmente chamada de Vegetoterapia Caractero-Analítica e posteriormente de Orgonoterapia. Atualmente, é comum referirmo-nos a ela simplesmente como Psicoterapia Reichiana. Reich foi, sem dúvida, um importante pioneiro no estudo dos fenômenos psicossomáticos. Suas descobertas não se limitam a explicar o envolvimento psíquico nas doenças orgânicas, mas também o envolvimento de disfunções corporais no caráter neurótico e nas psicopatologias.
A partir de 1945 as descobertas de Reich se diversificaram, passando a abranger outros campos do conhecimento além da clínica, como a Puericultura, a Psicologia de Massas e a pesquisa experimental em Ciência Orgonômica, dentre outros.

Reich teve o mérito de estabelecer as leis que regem a energia vital e suas propriedades, denominando-a de energia orgônica, livre dos conceitos místicos que a envolviam, portanto colocando-a definitivamente a nível de ciência. Wilhelm Reich conseguiu provar que a perfeita circulação em nosso corpo da energia orgônica coincidirá com a saúde perfeita, e isto acontecia quando as emoções positivas dominavam. A alegria, o prazer, a tranquilidade, a segurança e o amor expande nosso organismo, deixando a energia circular livremente. Quando a tristeza, dor, medo, insegurança, intranqüilidade ou o ódio nos dominam, o nosso organismo, ao contrário, se contrai, os músculos se tornam tensos, comprimindo os vasos sangüíneos e impedindo, assim , a circulação plena da energia orgônica. O nível energético cai em nosso organismo que, assim, se torna tanto vulnerável às doenças conseqüentes aos agentes externos como aquelas que ocorrem devido ao funcio- namento inadequado de nossos órgãos e células.

* Fonte: Dr. Luiz Moura e Dr. Franklin Mattos - Brasil.

Acumuladores de Orgone
Nos anos 1930 a 1957 o cientista Wilhelm Reich conseguiu construir acumuladores de orgone que concentravam o Orgone recolhido. Ele descobriu a existência de dois tipos de Orgone: o negativo que, ele chamava de "DOR" "Deadly Orgone" e o positivo ,"POR" para "Positive Orgone". As fontes de energia negativa são todas influências eletromagnéticas, tanto humanas (torres de celular, radio, tv, linhas elétricas, aparelhos eletrodomésticos etc.), como geológicas (ex. cruzamento de água) e outras influências negativas. Em consequência os aparelhos por ele desenvolvidos conseguiam bem acumular essas energias, mas tinham que estar longe de fontes negativas, o que era uma grande desvantagem.

Transformadores de Orgone
Nos anos 90 vários cientistas continuaram a desenvolver as descobertas de Wilhelm Reich. Entre outros Karl Welz e Don e Carla Croft, que independamentes um do outro, descobriram uma fórmula básica e simples, baseada em uma matriz de material carbo-orgânico, com diferentes metais, que foi chamada de Orgonite em reverência aos trabalhos de Wilhelm Reich. Depois que Don e Carla Croft publicaram seus resultados em 2001, e convidaram outros a experimentar esse mateiral fantástico, formou-se um movimento de pesquisadores no mundo inteiro, confirmando os resultados e continuando a desenvolver suas aplicações práticas até hoje. Este site e seu grupo é um exemplo disto.
Contrário aos acumuladores de Wilhelm Reich, o Orgonite é capaz de transformar o Orgone negativo (DOR) em Orgone positivo (POR) abrindo assim portas para uma aplicação mais simples.

Na foto abaixo: Freud, Reich, Karl Welz, Carla Croft e Don.


Benefícios

  • Proteção e harmonização da casa e ambientes;
  • É simples e trabalha continuamente;
  • Inspira comportamento agradável, equilibrado, alegre e feliz;
  • Vitalização da água;
  • Proteção e harmonização pessoal;
  • Vitalização de alimentos;
  • Neutralização dos efeitos maléficos do eletromagnetismo;
  • Vitalização de plantas;
  • Proteção de animais domésticos;
  • Ajudando a regeneração do corpo durante o sono;
  • Melhora a qualidade do sono, pode curar insônia e pesadelos crônicos;
  • Ajuda a despertar capacidades psíquicas inatas;
  • Intensifica e melhora a qualidade da meditação;
  • Neutraliza a energia nociva que o esgoto irradia na casa.

     * Fonte: observação empírica, depoimentos, e material elaborado pela artesã Glória Costa.

Como usar

  • Coloque no ambiente que deseja tratar, preferencialmente perto de uma fonte de luz natural. Caso não seja possível, recomendamos uma hora exposição à luz solar, a cada duas semanas;
  • Você pode adquirir uma orgonite de porte, para carregar sempre perto de si, protegendo seu campo áurico;
  • Coloque perto de filtros de água ou alimentos, qualificando a energia que irá entrar em seu corpo físico;
  • Orgonites de porte também podem ser usados embaixo do travesseiro, melhorando seu sono;
  • Faça experiências em seu jardim: coloque uma orgonite de razoável tamanho perto de uma planta que está doente, e observe o que ocorre em três semanas;
  • Coloque uma orgonite com ametista na frente do computador em que trabalha, e perceba como seu cansaço mental irá diminuir;
  • Você poderá colocar uma orgonite de porte sobre regiões de dor ou feridas (protegendo antes a região com gase). Assim, um efeito benéfico poderá ser sentido na região. Obs: a resina acrílica contém Bisfenol-A, convém a quem tem muita oleosidade evitar de colocá-la diretamente na pele. Basta que a envolva em um lenço de algodão ou um pequeno pedaço de pano de fibra natural;
  • Casas com energia negativa, onde paredes racham e coisas estragam, serão muito beneficiadas com orgonites grande (que neste site chamamos de Giga);
  • Para qualquer dúvida que surgir, entre em contato.


Alguns atributos dos cristais que uso:

Ametista: Ela desperta o nosso lado espiritual, fortalecendo nossa intuição e auxiliando muito na meditação. O significado da pedra Ametista está ligado a sua capacidade de centrar a mente e auxiliar a tomada de decisões pois capta informações de planos superiores e ajuda na transmissão de sinais neurais no cérebro;

Cianita azul: É considerada a pedra da proteção divina por ser capaz de favorecer a comunicação mental com os seres angelicais (em especial com o Arcanjo Miguel);

Cristal de quartzo: Cura e harmonia do ambiente. É o cristal da sabedoria, do misticismo e da clarividência. O Cristal é um Poderoso Purificador e Energizador. Ele afasta as energias negativas, aumenta nossa vitalidade, ativa e alinha os Chakras, equilibra o emocional e fortalece a nossa Aura, remove bloqueios energéticos e fortalece nosso poder de autocura;

Quartzo verde: restaurador da saúde (especialmente a física);

Turmalina negra: Repele a energia negativa e a inveja. Segundo os chineses é a pedra da longevidade.


O planeta Terra é um acumulador gigante de orgone:


Sobre a Orgonite Giga